Siga o Portal do Holanda

Negócios sujos envolvendo Jesus

Publicado

em

Resumo da Coluna

  • Se Jesus voltasse agora, seria crucificado de novo? Claro que sim! Pelos cristãos e suas redes sociais. Os ‘justos’ providenciariam isso para que ele não interferisse em seus negócios sujos.

Nas formas mais inusitadas e também desencontradas, Jesus acabou sendo o astro do desfile de Carnaval 2020. E ainda entrou em foco fora da passarela do samba, com o decreto do governador do Rio, Wilson Witzel, proibindo a discriminação da homossexualidade.

O decreto provocou a reação imediata do pastor homofóbico Marcos Feliciano, para quem a norma atinge padres e pastores que pregam que homossexualismo é pecado ou doença.

No desfile da Mangueira, o guia espiritual dos cristãos foi representado de várias formas, como mulher, playboy, negro, gay. ‘Alegoria’ do ensinamento que diz: “todos são iguais perante Deus”.

Uma igualdade que cristãos evangélicos, e até católicos, regurgitam em nome de um senso de moralidade que não possuem. Pregam a filiação divina, excluídos os pecadores e os imorais.

No enredo de uma festa pagã, a verde-e-rosa reavivou uma discussão que se alonga há mais de 2 mil anos. A ‘volta’ de Jesus para julgar os homens, atirando os maus no fogo do inferno.

Mas, e se Jesus voltasse agora, seria crucificado de novo? Claro que sim! Pelos cristãos e suas redes sociais. Os ‘justos’ providenciariam isso para que ele não interferisse em seus negócios sujos.

Foto: Divulgação/Rafael Figueiredo


+ BASTIDORES DA POLÍTICA

Para compartilhar este conteúdo, utilize o link ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos do Portal do Holanda estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral.

Copyright © 2006-2019 Portal do Holanda.