Siga o Portal do Holanda

'Cabeça branca'

Ex-prefeito é alvo do MPF por fraude no uso de recursos do Fundeb no Amazonas

Publicado

em

Foto: Divulgação Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Manaus/AM - O Ministério Público Federal (MPF) no Amazonas ajuizou ação de improbidade administrativa contra o ex-prefeito de Urucará (a 261 quilômetros de Manaus) Felipe Antônio, o ex-secretário municipal Andrew Felipe Mota, Emily Vieira Felipe, Adriely Felipe Mota  e a empresa GFM Serviços de Transportes Rodoviários Ltda ME por fraude na contratação de serviços de transporte escolar com recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e da Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

Durante a sua gestão, em 2014, Felipe Antônio contratou a empresa GFM, inicialmente denominada de A. Felipe Transportes por Navegação e Rodoviária Ltda ME, de propriedade de seus dois sobrinhos, Andrew Felipe Mota e Adriely Felipe Mota. O valor da contratação era de R$ 656.400,00, com vigência de 12 meses. No entanto, o contrato durou apenas dois meses, durante os quais foi recebido o valor de R$ 109.400,00, em pagamentos realizados em 15 de abril de 2014 (R$ 54,700.00) e em 19 de maio de 2014 (R$ 54.700,00).

De acordo com a ação, um mês antes da contratação, caracterizada como ilícita pela existência do vínculo familiar entre os sócios da empresa e o ex-prefeito, houve alteração do nome da empresa para Chiborena Transporte por Navegação e Rodoviária Ltda-ME. No mesmo período, Andrew Felipe se retirou da sociedade, o que em nada alterou a ilicitude da contratação, uma vez que a outra sócia também possuía vínculo com o ex-prefeito, além de que, quem sucedeu Andrew Felipe foi sua esposa, Emily Vieira Felipe.

Essa alteração do quadro de sócios, conforme destaca o MPF, foi clara manobra para camuflar a real administração da empresa, uma vez que Andrew Felipe Mota, na condição de Secretário Municipal de Urucará, era impedido legalmente de contratar com a prefeitura, nos termos do art. 9º, III, da Lei de Licitações e Contratos (Lei nº 8.666/93), que impede que servidor ou dirigente de órgão ou entidade contratante ou responsável pela licitação participe, direta ou indiretamente, da licitação ou da execução de obra ou serviço e do fornecimento de bens a eles necessários.

Indisponibilidade de bens

Na ação de improbidade administrativa, o MPF pede, em caráter liminar, que a Justiça Federal declare a indisponibilidade de bens dos investigados até o limite do dano causado ao patrimônio público, no valor atualizado de R$ 168.262,27.

O MPF pede ainda que, ao final do processo, os envolvidos sejam condenados às sanções previstos no artigo 12, II, da Lei nº 8.429/92 (Lei de Improbidade Administrativa), entre elas o ressarcimento do prejuízo causado ao patrimônio público e, no tocante à perda da função pública, que esta seja expressamente declarada na sentença e alcance toda e qualquer função pública exercida pelos demandados ao tempo do trânsito em julgado da sentença.

PF investiga denúncia de fraudes em documentos envolvendo funcionários do governo do Amazonas

Para compartilhar este conteúdo, utilize o link ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos do Portal do Holanda estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral.

Copyright © 2006-2019 Portal do Holanda.